Uma outra visão sobre o tratamento do hipotireoidismo

tireoide

Daniele Barbosa

No Brasil, o hipotireoidismo – disfunção da tireoide, glândula localizada no pescoço, que diminui a produção natural dos hormônios tiroidianos – atinge mais de 10% das mulheres acima de 40 anos, de acordo com dados da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). Embora os números oficiais não sejam tão assustadores, em um ranking de medicamentos mais vendidos no Brasil em 2012, elaborado pela Health, consultoria especializada em dados da área de saúde, o Puran T4, hormônio sintético usado no tratamento para a doença, aparece no segundo lugar da lista. Mas nem sempre o hipotireoidismo foi tratado com medicamentos sintéticos e ainda há países que fazem uso dos chamados hormônios biológicos para tireoide.

O diagnóstico do hipotireoidismo é feito por meio de exames de sangue e ultrassonografia

O diagnóstico do hipotireoidismo é feito por meio de exames de sangue e ultrassonografia

No início das pesquisas para descobrir como tratar o hipotireoidismo, a suplementação do hormônio tireoidiano, que tem sua produção reduzida pelo organismo por causa da doença, era feita a partir de comprimidos à base da tireoide dissecada de bois e porcos, conhecidos como hormônios biológicos. De acordo com o médico  Ícaro Alcântara, especializado em homeopatia e medicina ortomolecular, a biossegurança dessa prática foi questionada, e o procedimento vetado por questões burocráticas até a realização de uma “análise mais detalhada”, que nunca foi concluída. “Pressão da indústria farmacêutica talvez?”, indaga o médico.

“Os hormônios sintéticos podem ser mais bioidênticos, mas usualmente as indústrias farmacêuticas fazem pequenas modificações nas moléculas para poder patenteá-las. Essas alterações, por menores que sejam, comprometem o bioaproveitamento pelo organismo. É como se o organismo soubesse o que é de fato orgânico ou não”, explica o Alcântara.

O médico ressalta, ainda, que a principal diferença entre o hormônio sintético – adotado atualmente como única forma de tratamento para a doença no Brasil – e o biológico, ainda produzido e permitido no Canadá e Estado Unidos, é a estrutura molecular: quanto mais diferente da humana, menores tendem a ser os efeitos positivos e maiores os potencialmente negativos. A tireoide dissecada do boi ou do porco é muito semelhante a do homem, e alguns pacientes simplesmente não respondem à terapêutica com o hormônio sintético. Por isso, alguns países preferem assegurar as condições de manipulação dos hormônios naturais e ainda oferecê-los como opção.

David Brownstein, médico especialista em terapias hormonais naturais e diretor do Centro de Medicina Holística em Michigan (EUA), dedicou o primeiro capítulo de seu livro “The Miracle of Natural Hormoness” (O Milagre dos Hormônios Naturais, em tradução livre) ao tratamento dos distúrbios da tireóide com hormônios naturais. Para ele, o hormônio biológico oferece melhores resultados não só porque contém naturalmente outros hormônios essenciais para a glândula, como T3 e T4, mas porque também possui muitos outros fatores que facilitam a conversão necessária de T4 em T3, incluindo calcitonina, T1, T2 e muitos outros produtos químicos que não se são sequer identificados. O médico afirma, em entrevista para o site Thyroid-Info, que se a indústria conseguisse reproduzir em laboratório um medicamento com todas as especificidades químicas da tireóide, ele seria o primeiro a receitá-lo.

Um artigo publicado na revista “Pesquisa Médica” já admite que pacientes tratados com o hormônio sintético, a levotiroxina, continuam a sofrer com os sintomas da doença. Segundo a publicação, o motivo seria a oferta de apenas um tipo de hormônio que o medicamento oferece ao organismo, no caso, o T4.

A importância da alimentação

Embora o tratamento seja feito basicamente com a ingestão diária de hormônio tireoidiano, sintético ou biológico, a alimentação possui importância na manutenção da saúde da glândula. Segundo Noadia Lobão, especialista em nutrição funcional e nutrição clínica pela Associação Brasileira de Nutrição (Asban), a comunidade científica já admite a relação entre o consumo do glúten, presente principalmente na farinha de trigo, e distúrbios autoimunes da tireoide.

Pesquisas indicam que o glúten pode prejudicar o funcionamento da tireoide

Pesquisas indicam que o glúten pode prejudicar o funcionamento da tireoide

“É fato reconhecido que a doença celíaca aumenta a predisposição ao desenvolvimento do hipotireoidismo. Apesar do mecanismo não ser conhecido, é provável que se deva ao fato do glúten causar reações autoimunes que poderiam dar origem ao hipotireoidismo. Existem pessoas que não são celíacas, mas apresentam sensibilidade ao glúten e podem desenvolver com consumo continuado do glúten vários dos efeitos nocivos que afligem os celíacos e, neste caso, podemos incluir o hipotireoidismo”, ressalta a nutricionista.

Noadia destaca que a reação negativa do organismo ao consumo do glúten pode ocorrer nas pessoas que não são celíacas, por meio do consumo excessivo de massas, pães e bolos à base de farinha de trigo. David Brownstein revela também que deficiências de zinco, selênio, iodo e ferro, além do consumo de álcool e pesticidas, podem prejudicar o funcionamento da tireoide. Brownstein ressalta ainda que dietas pobres em gorduras saudáveis e proteína também são prejudiciais.

Pergunta dos leitores

O portal entrou em contato com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) para responder algumas dúvidas enviadas pelos nossos leitores sobre o hipotireoidismo. Quem respondeu as perguntas foi o endocrinologista Ronaldo Neves, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia-regional RJ ( SBEM-RJ). Mais informações no site www.sbemrj.org.br. Confira abaixo:

[pros]

  • Rute Assis: Entrei na menopausa muito precocemente, será que era a causa do hipotireoidismo que vim descobrir muito tempo depois? E meu intestino era lento e ficou muito mais depois da descoberta da doença, fora a depressão que pega forte.Não, a menopausa precoce não deve ter sido decorrente de um hipotiroidismo. A piora da constipação, sim, pode estar associada ao hipotiroidismo não tratado. A depressão pode ser desencadeada ou agravada pelo hipotiroidismo porém, quando é decorrente desta disfunção tiroideana, não permanece quando o tratamento é realizado de maneira adequada. Menopausa e história de casos de depressão na família, também podem estar relacionadas com a sua depressão.
  • Claudia Moreira: Tenho hipotireoidismo, mais até hoje não tenho resposta de como desenvolvi, se é hereditário ou causado por algum desequilíbrio hormonal.Caso você não tenha feito tratamento para hipertiroidismo,  cirurgia de tiroide ou usado alguns dos medicamentos que podem interferir com a função tiroideana, provavelmente você herdou uma genética para desenvolve-lo. Se seus pais, avós, tios, tivessem feito uma avaliação hormonal da tiroide, provavelmente alguém teria diagnosticado uma disfunção.
  • Priscilla Acácio Araujo: Como a doença interfere no fato de eu não menstruar e não poder engravidar?Com o tratamento adequado o ciclo menstrual fica normal e a gestação ocorre normalmente. Na gestação é sempre necessário aumentar (sim, aumentar e não suspender ou diminuir) a dose do hormônio tiroideano que a paciente está usando, com o objetivo de evitar problemas para a criança e também para a gestação.
  • Rosane Oliveira, Jucy Pinheiro: Quais os sintomas do hipotireoidismo?Os sintomas do hipotiroidismo não são específicos desta doença – várias outras situações podem causar estes mesmos sintomas: pele seca, queda cabelos, fadiga, sonolência excessiva, fraqueza muscular, aumento sensibilidade ao frio, prisão de ventre, ganho de peso. Para sabermos se os sintomas são decorrentes do hipotiroidismo é necessário confirmar o diagnóstico por dosagens hormonais (exame de sangue) e, caso confirmado o diagnóstico, observar se desaparecem com o tratamento adequado.

[/pros]

 

 

7 Comments

  1. Ludimilla rocha de paula

    Tenho 21 anos e descobri o hipotireoidismo há pouco tempo, sou obesa e estou tomando medicação, quero muito fazer a cirurgia bariátrica, com o hipotireoidismo isso pode interferir na minha cirurgia ou ter alguma complicação??

    • Portal Estar Bem

      Olá, Ludimilla!
      Infelizmente não posso lhe auxiliar nesta questão, apenas um médico pode avaliar uma situação como essa. Espero que corra tudo certo.

      Um abraço,
      Dani

  2. Bom dia!
    Há três meses estou fazendo tratamento para hipotireoidismo, uso Puran T4 50mg, porém estou sentindo muita sonolência, cansaço e calafrios. Será que mesmo tomando o medicamento posso continuar a apresentar alguns sintomas?
    Grata!

    • Portal Estar Bem

      Olá, Andressa!
      Eu não sou médica, mas posso te dizer que me senti assim por muito tempo com o tratamento “convencional”. Tenho hipotireoidismo e só me vi livre dos sintomas quando mudei minha alimentação entre outras coisas. Converse com seu médico e diga que ainda sente os sintomas da doença. Uma das coisas que costuma melhorar muito o quadro de pessoas com hipotireoidismo é uma alimentação livre de glúten, mas não é todo médico que reconhece isso.

      Espero que melhore logo!

      Um abraço,
      Daniele

  3. Tenho 61 anos e agora surgiu um problema na paratireoide, exames feitos constataram a benignidade. Tenho uma considerável perda de cálcio. A recomendação é cirúrgica, o que estou querendo evitar. Gostaria de saber se existe algo na medicina homeopata que poderia me ajudar e me livrar da cirurgia.

    • Portal Estar Bem

      Olá, Heloisa!
      Não posso responder sua pergunta de forma precisa, pois não sou médica. Acredito que sempre há alternativas, mas para tomar conhecimento, você precisa procurar um bom médico homeopata, ou que siga um raciocínio mais adequado ao que você acredita. Torço para que você encontre esse profissional logo!

      Um abraço,
      Daniele

  4. Hipotiroidismo é realmente uma epidemia. É uma pena que ainda não tenham chegado a uma formulação eficaz para o tratamento. Como eu, inúmeras pessoas estão sofrendo demais, mesmo sendo medicadas. Impossível não olhar para a situação sem perceber a manipulação da indústria farmacêutica. Triste…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>