A mente é soberana, mas a alimentação ajuda

Woman Holding Cupcake and Salad

Tem sempre alguém que conhece um outro alguém que tinha a alimentação regrada, hábitos saudáveis, praticava exercício e mesmo assim morreu vítima de alguma enfermidade. Vejo muitas pessoas se basearem em histórias desse tipo para negligenciar a alimentação e a atividade física. Vamos por parte.

Realmente, numa escala de intensidade, de acordo com a medicina ayurvédica, as emoções ocupam o topo da lista dos fatores causais dos desequilíbrios. Porém, em seguida estão estilo de vida, alimentação e fatores externos. Alguns estados mentais são capazes de desarmonizar o organismo, mesmo que a pessoa estabeleça uma rotina diária com exercício e alimentação adequados.

Mas vamos olhar para a nossa realidade. Vivemos na chamada pós-modernidade, a era da informação, da rapidez, das relações virtuais. Vivemos num momento histórico propício para o esgotamento das nossas atividades mentais. Eu acredito que seja muito difícil, mesmo para quem tem mais domínio sobre a mente e as emoções, não ser vítima do estresse mental. Portanto, afirmo com firmeza: não confie tanto no seu estado mental a ponto de negligenciar sua alimentação, pois isso vai determinar a capacidade do seu corpo responder à doença.

É importante ressaltar também que ter saúde é um conjunto de fatores. Não temos saúde apenas pela alimentação, nem só com o estilo de vida, nem tampouco se valendo apenas de estados mentais positivos. Um corpo mal nutrido também interfere nas nossas ondas mentais. Podemos ver isso mais claramente com as chamadas alergias cerebrais, em que a ingestão de um alimento alergênico pode alterar os estado do individuo, gerando irritabilidade e comportamento agressivo. Isso se tratando apenas da relação mais bruta entre corpo e mente. Existe também a relação mais fina, a energética, que deve ser levada em conta.

Eu sempre digo: a mente é soberana ao corpo. Porém, a maioria de nós, imagino eu, não atingiu a iluminação. É quase certo que seremos, em alguns momentos, alvo da nossa própria “cabeça”. Quem tem o corpo bem nutrido, disciplinado em uma rotina saudável de exercícios físicos pode superar mais facilmente a doença.

Conheço a história de um homem que sofreu um enfarto na faixa dos 40 anos. Seu filho, indignado, chegou para o médico e argumentou: “Doutor, como pode? Meu pai pratica corrida como esporte e tem a alimentação saudável, porque ele enfartou?”, respondeu o médico: “Porque ele enfartou não sei, mas foi justamente por isso que ele saiu vivo desta”.

Saúde!

Daniele Barbosa – Editora do Portal Estar Bem
daniele.barbosa@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>