A injustiça contra a gordura: ela não é a vilã que parece

gordura

Na corrida pelo corpo ideal, é comum ver os adeptos das práticas de academia, como musculação e exercícios aeróbicos em aparelhos eletrônicos, buscando reduzir o famoso percentual de gordura corporal. Incentivados pelos próprios professores, os alunos fazem medições periódicas e sentem-se realizados quando a chamada massa magra aumenta, na medida em que o corpo vai ficando mais musculoso. Porém, com base na medicina ayurvédica, esse desejo pelo menor percentual de gordura possível no corpo pode ser prejudicial à saúde.

De acordo com a visão ayurveda do organismo, nosso corpo possui 7 tecidos, os dhatus, como são chamados. Os músculos e a gordura são dois desses tecidos que precisam estar em estado de equilíbrio, nem em excesso, nem em deficiência, para dar suporte a uma boa saúde.

Os músculos, chamados de Mamsa, cobrem os nossos tecidos e órgãos internos. Em desenvolvimento adequado promove emocionalmente coragem, autoconfiança, mas em excesso gera na pessoa atitude arrogante e prepotente. Quando os músculos estão em estado de deficiência, geram insegurança. Portanto nem oito, nem oitenta.

Quando se trata da gordura o problema é ainda maior, porque ela é a tida como a maior vilã das academias, porém uma quantidade adequada e saudável de gordura no corpo é benéfica. Segundo o ayurveda, a função de Meda, nome do tecido de acordo com a medicina indiana, é lubrificar todo o corpo, desde as cordas vocais até os próprios músculos. Do ponto de vista psicológico, a gordura em quantidade adequada gera uma atitude mais flexível diante da vida, além de estar ligada ao afeto, ao sentimento de doçura, bem estar e de ser amado.

Uma pessoa exageradamente musculosa e com baixíssimo percentual de gordura no corpo, além de prejudicar as funções fisiológicas do organismo, também se encontrará em desequilíbrio emocional, tendendo a uma extrema insegurança, que provavelmente será contornada com atitudes prepotentes.

Ainda de acordo com a visão ayuvédica, a obesidade pode ser justificada por uma forte carência, onde o indivíduo, inconscientemente, busca no aumento do seu peso, e consequentemente do seu percentual de gordura, conter a falta de amor que sente diante da vida e suas relações.

Portanto, o caminho do meio ainda continua a ser o melhor. Conserve estados de equilíbrio em seu corpo e a beleza será irradiante e verdadeira!

Saúde!

 

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>