Por que nós mulheres devemos evitar leite e derivados?

milk_splash

Apesar de, para mim, esse ser um assunto já bem conhecido, vejo algumas mulheres ainda enfrentando problemas por conta do consumo do leite. Você pode estar se perguntando: mas por que só as mulheres? Porque neste caso, especificamente, estou tratando das implicações do consumo de leite e derivados na saúde ginecológica.

Sou terapeuta, como formação em ayurveda. Não há nada mais sagrado que o leite para o ayurveda. Porém, é preciso considerar que o leite do qual o ayurveda fala não é esse que vende no mercado, ou que serve de matéria prima para a produção de queijo em escala industrial. Ainda que o leite consumido seja o mais puro o possível, é preciso ressaltar que é um alimento que aumenta a quantidade de muco presente no corpo.

 

Levando em consideração a qualidade do leite ofertado nos mercados atualmente, temos um alimento com alta capacidade de aumentar a formação de muco e acidificar o organismo, que saudável, é alcalino. Um ambiente rico em muco e ácido é terreno fértil para a proliferação de fungos e bactérias e aí que mora o problema para as mulheres.

A região reprodutiva da mulher é naturalmente mais úmida que a do homem. Por isso também é mais sensível. Não é incomum ver mulheres sofrerem com infecções ginecológicas e a famigerada candidíase ao longo dos anos. Porém também é muito comum ver todos esses problemas desaparecerem como passe de mágica quando é recomendado à paciente que reduza bastante ou corte completamente o consumo de laticínios por um tempo.

Isso porque o leite aumenta e acidifica o muco onde o organismo já produz muco normalmente em condições saudáveis, tonando o meio propenso às infecções, no caso das mulheres, às infecções fúngicas, como à candidíase, por exemplo. Pessoas com problemas respiratórios crônicos, como sinusite e rinite também são imensamente beneficiadas com a redução o corte do consumo de leite e derivados. Já no homem, o pH da região íntima não apresenta mudanças tão drásticas quanto a da mulher com a restrição, porque é fisiologicamente diferente.

Apesar disso, homens e mulheres se beneficiam da redução do consumo de leite produzido pela indústria, que é de qualidade bem inferior ao leite cru, retirado com respeito e cuidado da vaquinha bem tratada, vivendo livre no pasto, sem ser inseminada artificialmente, ou exposta ao uso abusivo de antibióticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>